Dias de muita tribulação

Furacão Irma em Miami

A terra vive dias difíceis! Uma espécie de convulsão. Vemos mentira e corrupção, disputas insanas por dinheiro e poder, grandes tragédias naturais, violência em famílias, recordes de suicídios (no Brasil são mais de 11.000 por ano) e o culto ao hedonismo, em que o meu prazer é mais importante que o direito do meu próximo. Vivemos um tempo de grande intolerância e divisão, em que a busca pelo sexo, dinheiro e poder está acima do bom senso da vida comunitária. O que está acontecendo na Terra? Não sou uma pessoa pessimista e muito menos fatalista, contudo, sou um cristão e creio nas Escrituras Sagradas como uma mensagem de Deus para o bem do homem.

Pedro assim escreveu em sua carta apostólica: “Saibam que, nos últimos dias, surgirão escarnecedores zombando e seguindo suas próprias paixões” (2 Pedro 3:3). Os sinais são muito evidentes de que algo não está bem e, de certa forma, há uma mensagem do céu para nossas vidas na Terra. Se estamos nos últimos dias ou não, não podemos afirmar, contudo, podemos ler as mensagens do Novo Testamento e refletirmos, por exemplo, sobre o que Paulo escreveu em sua segunda carta à Timóteo: “Saiba disto: nos últimos dias sobrevirão tempos terríveis. Os homens serão egoístas, avarentos, presunçosos, arrogantes, blasfemos, desobedientes aos pais, ingratos, ímpios, sem amor pela família, irreconciliáveis, caluniadores, sem domínio próprio, cruéis, inimigos do bem, traidores, precipitados, soberbos, mais amantes dos prazeres do que amigos de Deus” (2 Timóteo 3:1-4). Que precisão em sua palavra, como se ele estivesse hoje em São Paulo, assistindo a TV, lendo os principais portais de notícias do mundo. O que fazer diante dessa realidade? É melhor seguir o conselho do próprio Cristo: “Portanto, vigiem, porque vocês não sabem em que dia virá o seu Senhor” (Mateus 24:42). Orar e estar atento às situações da vida, viver com sabedoria, amor e graça. Como o apostolo Paulo orientou: “Tenham cuidado com a maneira como vocês vivem; que não seja como insensatos, mas como sábios, aproveitando ao máximo cada oportunidade, porque os dias são maus.

Portanto, não sejam insensatos, mas procurem compreender qual é a vontade do Senhor” (Efésios 5:15-17). Não viva de qualquer forma, viva com sabedoria! O tolo despreza a sabedoria, mas o sábio a busca e reflete sobre ela. Até a natureza sofre pelos atos dos homens e, por isso, toda criação de Deus na Terra espera a redenção, como está Escrito: “Sabemos que toda a natureza criada geme até agora, como em dores de parto” (Romanos 8:22). Pense nisto!.

 

A Nova Independência contra a Corrupção

O feriado nacional, para muitos, é um convite ao descanso, mas deveria ser um convite também à reflexão e posicionamento, em virtude de atravessarmos um dos períodos mais difíceis da história do nosso país. Neste dia em que se comemora a independência da nação brasileira do domínio português, deparamo-nos com um país que amarga crises sem precedentes em seu sistema político falido, definha economicamente e não perde a capacidade de chocar com completa falta moral e ética de seus governantes, legisladores e até magistrados. Nossas mazelas estão expostas em seguidas notícias de bandidagem e assaltos aos cofres públicos.

A espantosa quantia de 51 milhões de reais em dinheiro foi encontrada em malas e caixas pela Polícia Federal nesta semana, na maior apreensão de dinheiro da história do Brasil. O acusado de escondê-las é o ex-ministro Geddel Vieira Lima, que hoje cumpre prisão domiciliar na Bahia. A carreira política de Geddel é vasta, assim como seu envolvimento em casos de corrupção. Geddel, até pouco tempo, era braço direito de Temer, ocupando o cargo ministro da Secretaria de Governo. Foi também ministro e figura carimbada nos governos Lula e Dilma. Geddel é alvo da operação Cui Bono, que investiga esquema de corrupção na Caixa Econômica Federal, com arrecadamento de propinas, entre 2011 e 2013.

O emaranhado da corrupção da dobradinha PT-PMDB é a cada dia mais evidente e escabroso. Nesta mesma semana, acompanhamos a denúncia ao STF, feita pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot, de crime de organização criminosa cometido pelos ex-presidentes Luís Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e políticos ligados ao PT. O “quadrilhão do PT”, como está sendo chamado informalmente, também faz referências ao PMDB e PP.

Há poucos dias do final do mandato, Janot agora lida com o infame auto-grampo de Joesley Batista, que põe em cheque as negociações da delação premiada do empresário e a questionável contrapartida da sua imunidade.

O sábio Salomão bem afirmou: “O governante sem discernimento aumenta as opressões, mas os que odeiam o ganho desonesto prolongarão o seu governo” (Provérbios 18:16). No entanto, não podemos nos deixar levar pelos sentimentos mais óbvios do descrédito. Ore por seu país. Acompanhe de perto seus governantes, proteste em suas redes sociais e não deixe de se indignar com a corrupção, que nos é muito conhecida, mas que não precisa ser perpetuada como uma doença incurável no Brasil. Precisamos de uma nova independência para o nosso amado Brasil!