Novos hábitos na pós-pandemia

A despeito das teorias populares de conspiração global (cuja algumas, confesso, fico tentado a acreditar) e das revelações bíblicas e escatológicas sobre o fim dos tempos (das que acredito no cumprimento gradativo em um futuro próximo), quero refletir aqui sobre algo mais momentâneo. Os efeitos colaterais da pandemia do Convid-19 estão causando uma mudança de hábitos em nosso cotidiano, não como fruto direto do vírus em si, mas do isolamento social. Este é fato social único para nós, em especial no Brasil. A reclusão e o isolamento social em casa nunca fizeram parte da cultura do povo brasileiro.

No decorrer da história, já lidamos com muitas doenças e crises, mas nada comparado a esta magnitude. Como vivemos de forma mais globalizada do que nunca, todos que sobrevivermos à nova pandemia viveremos em um novo mundo. O surto passará, como já vemos em alguns países, e a vacina e os medicamentos surgirão, no entanto, teremos um legado de novos hábitos e práticas que já terão influenciado para sempre alguns meios.

O comércio pela internet continuará em grande aceleração. Muitos nunca tinham feito compras pela internet e agora já apreciam a prática. Muitos perceberão que é mais barato exercitar-se em casa via streaming. Pessoas que jamais quiseram experimentar estudar via EAD, estão fazendo cursos diversos e até graduações. O home office crescerá e economizará tempo e dinheiro para empregadores e funcionários. As dispendiosas viagens a negócios estão sendo substituídas por reuniões virtuais. Encontros religiosos virtuais, algo que muitos antes não concebiam, se tornarão um novo hábito de muitos. Produtos de higiene e limpeza ganharão destaque como nunca. Consultas médicas online passam a ser lei em muitos países. Votações virtuais em reuniões públicas e administrativas agora são validadas como oficiais. Nossas já conhecidas máscaras, bem comuns em toda a Ásia, não deixarão mais os rostos urbanos no nosso país.

Gostemos ou não da realidade social da vida online e dos novos hábitos, ela chegou para ficar. O comércio e a indústria de produtos e serviços se moldarão à nova realidade.

O mundo está mudando e não será mais o mesmo. Não é sobre sermos pessimistas ou fatalistas, apenas, sobre termos bom senso. Pare de reclamar e de olhar somente para si. Vislumbre os horizontes e comece a se reinventar e a se adaptar à nova realidade. Vale lembrar de um conselho muito valioso que Jesus nos deu em seu mais famoso sermão: “Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã se preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal” (Mateus 6:34). Viva um dia de cada vez!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *