A importância da fé em dias de crise

Quando falo de fé em Deus, em seu conceito bíblico e cristão mais amplo, não me refiro apenas às definições associadas à igreja local, católica ou evangélica, pentecostal ou protestante, carismática ou tradicional. Ao falar de “fé em Deus”, refiro-me a um relacionamento espiritual com Ele, algo que não podemos ver ou tocar, mas que podemos receber e desenvolver. A definição bíblica mais objetiva e conhecida de fé vem do autor da carta aos hebreus: “Ora, a fé é a certeza daquilo que esperamos e a prova das coisas que não vemos” (Hebreus 11:1). Na perspectiva bíblica, não temos fé ao ver para crer depois, mas crendo para então ver.

Nestes tempos tão desafiadores, em que nos vemos com 60 dias de isolamento social, não devemos viver um isolamento espiritual e emocional. Será mesmo que quem tem fé vive mais e melhor? Pesquisadores têm chegado cada vez mais à conclusão de que sim, a despeito de todo preconceito que o tema ainda enfrenta no meio acadêmico. Particularmente, creio que a fé saudável ajuda muito as pessoas; sinto isto em minha própria qualidade de vida e na de outros. Lendo uma entrevista do Dr. Harold G. Koening, que publicou mais de 300 artigos e de 40 livros sobre o assunto, me deparei com sua tese lúcida, clara e brilhante, que mostra como a fé ajuda as pessoas em diversos aspectos da vida, reduz o stress, gera conforto em momentos difíceis e leva o indivíduo a assimilar hábitos saudáveis.

Em síntese, Koening aponta que a fé nos ajuda a viver melhor por três pontos. O primeiro deles é que a fé atribui significado à vida, ou seja, ela gera uma vida com propósitos. De fato, a fé em Deus nos leva a compreender que não estamos aqui por acaso, mas fomos criados para servir. Na fé cristã, nosso modelo é Jesus: mesmo sendo Deus, veio à Terra servir e ensinar que devemos viver para além de nós mesmos. Assim, a fé nos ajuda nas decisões diárias, facilita a vida e reduz esforços desnecessários.

Koening também aponta que a fé gera relacionamentos e sociabilidade – uma afirmação totalmente coerente. Pessoas de fé tendem a se unir em grupos para ajudar em causas comuns.

Por fim, o cientista defende que a fé proporciona em geral hábitos mais saudáveis, como ingerir menos álcool, evitar o fumo, não realizar sexo de risco e promíscuo com múltiplos parceiros. A fé combate até mesmo o sedentarismo e faz com que pessoas se mexam mais! A fé cristã e os hábitos emocionais saudáveis recomendados por ela trazem muitos benefícios.

Portanto, viva mais e viva melhor. Viva diariamente professando uma fé verdadeira, ainda mais neste tempo de isolamento. Vamos vencer com fé! Com Jesus tudo vai ficar bem!.

Haja paciência durante a quarentena

Neste tempo de isolamento social imposto à população em virtude da Covid-19, é perceptivo como algumas pessoas não tem reagido tão bem a esta nova realidade. Elas perdem a paciência! Em especial, dentro do convívio familiar. Contudo, a paciência não é algo que se perde sem graves consequências para o indivíduo e para os que convivem com ele, ainda mais em casa. A perda desta virtude é altamente danosa à saúde coletiva. Paciência não é um sentimento, é uma expressão prática do amor. Paulo, em uma das suas cartas, escreveu aos cristãos da região grega da antiga Galácia: “Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, paciência, amabilidade, bondade, fidelidade […]” Gálatas 5:22 (grifo do autor).

A palavra portuguesa “paciência” vem do termo latino patientia, utilizado neste verso da Vulgata que, por sua vez, vem do adjetivo patiens (“aquele que sofre, que se submete, que suporta, que é paciente”). Este adjetivo deriva do verbo patior, que significa primordialmente “sofrer”, tanto no sentido habitual da palavra, quanto naquele de se passar por algo. Está de certa maneira relacionada à palavra do original grego, (makrothymia), que traduzimos por “paciência”. Esta palavra é composta por dois radicais, o adjetivo (makrós), que significa “longo”, “longe”, e (thymós), que significa “paixão”, “ira”. Assim, a tradução literal é uma “paixão longa”, ou seja, a qualidade de alguém que espera tempo o suficiente antes de demonstrar ira e evita demonstrar intensamente uma reação emotiva ou pessoal demais.

Quando aplicamos a paciência, portanto, estamos crescendo, sendo esticados para melhor entender, ajudar e servir ao próximo. Deus também tem makrothymia, e isso nos diz que só podemos resistir à tentação de sucumbir às paixões por meio da ação do Espírito, e é justamente por isso que é listada como um dos Seus frutos. Um exemplo bíblico traz: “Tenham em mente que a paciência (makrothymian) de nosso Senhor significa salvação, como também o nosso amado irmão Paulo lhes escreveu, com a sabedoria que Deus lhe deu” (2 Pedro 3:15).

A tradução inglesa do primeiro verso traz o termo longsuffering (resignação, resiliência), que se aproxima da ideia de um sofrimento, uma paixão, que é suportado por muito tempo antes de que se faça alguma coisa a respeito, de forma que esta ação seja justa e não meramente fruto das emoções.

Que haja paciência em nossas vidas e família, para assim não perdermos a cabeça e não venhamos a prejudicar um momento tão difícil em meio a esta situação de pandemia. Não existe nada que esteja ruim, que não possa ficar pior mediante a falta de paciência. Portanto, escolha a paz e a paciência!

Novos hábitos na pós-pandemia

A despeito das teorias populares de conspiração global (cuja algumas, confesso, fico tentado a acreditar) e das revelações bíblicas e escatológicas sobre o fim dos tempos (das que acredito no cumprimento gradativo em um futuro próximo), quero refletir aqui sobre algo mais momentâneo. Os efeitos colaterais da pandemia do Convid-19 estão causando uma mudança de hábitos em nosso cotidiano, não como fruto direto do vírus em si, mas do isolamento social. Este é fato social único para nós, em especial no Brasil. A reclusão e o isolamento social em casa nunca fizeram parte da cultura do povo brasileiro.

No decorrer da história, já lidamos com muitas doenças e crises, mas nada comparado a esta magnitude. Como vivemos de forma mais globalizada do que nunca, todos que sobrevivermos à nova pandemia viveremos em um novo mundo. O surto passará, como já vemos em alguns países, e a vacina e os medicamentos surgirão, no entanto, teremos um legado de novos hábitos e práticas que já terão influenciado para sempre alguns meios.

O comércio pela internet continuará em grande aceleração. Muitos nunca tinham feito compras pela internet e agora já apreciam a prática. Muitos perceberão que é mais barato exercitar-se em casa via streaming. Pessoas que jamais quiseram experimentar estudar via EAD, estão fazendo cursos diversos e até graduações. O home office crescerá e economizará tempo e dinheiro para empregadores e funcionários. As dispendiosas viagens a negócios estão sendo substituídas por reuniões virtuais. Encontros religiosos virtuais, algo que muitos antes não concebiam, se tornarão um novo hábito de muitos. Produtos de higiene e limpeza ganharão destaque como nunca. Consultas médicas online passam a ser lei em muitos países. Votações virtuais em reuniões públicas e administrativas agora são validadas como oficiais. Nossas já conhecidas máscaras, bem comuns em toda a Ásia, não deixarão mais os rostos urbanos no nosso país.

Gostemos ou não da realidade social da vida online e dos novos hábitos, ela chegou para ficar. O comércio e a indústria de produtos e serviços se moldarão à nova realidade.

O mundo está mudando e não será mais o mesmo. Não é sobre sermos pessimistas ou fatalistas, apenas, sobre termos bom senso. Pare de reclamar e de olhar somente para si. Vislumbre os horizontes e comece a se reinventar e a se adaptar à nova realidade. Vale lembrar de um conselho muito valioso que Jesus nos deu em seu mais famoso sermão: “Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã se preocupará consigo mesmo. Basta a cada dia o seu próprio mal” (Mateus 6:34). Viva um dia de cada vez!

Quaresma em quarentena

Estamos vivendo um tempo único, uma quaresma em quarentena domiciliar. É algo desafiador para todos nós! É também uma ocasião especial para refletirmos sobre a vida e morte de Jesus. Neste domingo chegamos ao The Palm Sunday ou, como conhecemos no Brasil, o Domingo de Ramos. Com ele iniciamos a mais importante celebração da fé cristã, a Semana Santa.

Domingo de Ramos celebra a entrada de Jesus em Jerusalém montado em um jumentinho emprestado – símbolo de humildade – e aclamado pelo povo que O aplaudia dizendo “Hosana Àquele que vem em nome do Senhor!”, abanando ramos de palmas. Esse mesmo povo testemunhara maravilhado há poucos dias Jesus ressuscitar Lázaro, e tinha agora a certeza de que ele era o Messias anunciado pelos profetas aos judeus. Porém, boa parte deste povo e até alguns discípulos pensavam que Jesus seria um Messias político, um libertador que arrancaria Israel das garras de Roma e lhe devolveria o apogeu dos dias dos reis de Israel.

Para deixar claro que Ele não era um Messias político, mas o grande libertador do pecado – a raiz de todos os males – Jesus entrou em um jumentinho na grande Jerusalém, cumprindo assim profecias do Antigo Testamento. Jesus não é um Rei deste mundo!

Sua entrada triunfal em Jerusalém foi um prelúdio de Sua entrega e paixão. A mesma multidão que O saudou em breve pediria Sua morte. Jesus conhecia o coração dos homens e não estava iludido. Quantas lições nos deixa o Domingo de Ramos! Quem gosta de viver iludido pela fama popular – incluindo líderes políticos de nossos dias – precisa saber que o mesmo povo que aclama no domingo é o mesmo que crucifica na sexta-feira.

Jesus nos ensinou que o Seu Reino não é deste mundo. Que Ele não veio para derrubar César ou Pilatos, mas para destruir um inimigo muito pior e invisível: o pecado. Ele não é um imperador; é um rei de amor que Se entrega por Seu povo, para a redenção de todos nós. Para isso, passou para morte então destruí-la, perdeu a vida para ganhá-la. Jesus morreu a nossa morte para que pudéssemos herdar Sua vida.

Domingo de Ramos ensina-nos que nossa luta não é sobre pessoas, mas contra a desobediência e o mal. Que servir a Cristo é renunciar a si mesmo, como um grão de trigo que morre na terra para então dar fruto. Ele nos tira do comodismo e hedonismo para nos colocar diante Daquele que veio nos salvar. O apóstolo Paulo nos ensinou: “‘Onde está, ó morte, a sua vitória? Onde está, ó morte, o seu aguilhão?’ Mas graças a Deus, que nos dá a vitória por meio de nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Co 15:55,57). Um dos pais da igreja, Irineu de Lion, disse: “[Jesus] se tornou o que somos, mas nos tornamos o que Ele é”. Tenha uma abençoada semana em casa e celebre, porque o Domingo de Páscoa, Domingo de Ressurreição, logo chegará!.

A vida e as mudanças do mundo

Heráclito de Éfeso, filosofo e pensador, sentenciou com sabedoria: “Um mesmo homem não pode entrar no mesmo rio duas vezes, primeiro porque as águas do rio já não mais as mesmas e nem o homem”. Como você lida com mudanças? Onde há vida, há mudanças, elas são inerentes a viver. Para a vida humana, o natural é que mudanças apontem para algo melhor, não somente para si, mas também para o próximo. Na tecnologia e no mercado, a regra é: ou muda agora, ou muda depois. Não há possibilidade de acomodação. Quem faz leituras corretas e se antecipa em mudar, estará em vantagem e ditará tendências.

Se você não gosta de mudanças, terá problemas grandes. A sociedade está mudando; para melhor ou pior, pode ser relativo. Creio que sempre conviveremos com as duas realidades. O fato é que desde a civilização romana já se sentenciava: “Tempora mutantur, nos et mutamur in illis” “Os tempos mudaram e nós mudamos com eles”. Quem não muda, se prepara para se isolar, perder e até morrer.

O mundo que deixaremos para nossos filhos e netos será muito diferente do que conhecemos hoje. Podemos, é claro, fazer muitas projeções sobre o futuro da sociedade mundial, no entanto, admitiremos que são apenas especulações. O que antes era sutil e lento, hoje, acontecem rapidamente. Exemplo disso, é a velocidade do processo que culminou na queda da “Cortina de Ferro” comparado a velocidade das mudanças atuais. O mundo mudou radicalmente nas últimas quatro décadas, após os atentados terroristas nos EUA em 11 de setembro de 2001. Será que estamos emocional e espiritualmente preparados para viver em um mundo assim?

A vida é dinâmica, e o homem sempre teve que conviver com constantes transformações. Será o efeito da alta tecnologia, o mundo world wide web? Creio que sim. A tecnologia e a internet continuarão influenciando e mudando o mudo on time.

Nossa alma está bem para caminhar ao lado destas mudanças e fazer as mudanças externas sem prejudicar nossa vida interior? Em Seus Evangelhos, Jesus afirmou por três vezes: “Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão” (Marcos 13:31). Alimente-se diariamente da Palavra bíblica da fé, estável em um mundo instável. Tudo passará e mudará.

Monge Agostiniano, convertido à fé cristã reformada, Martinho Lutero, quando compôs seu hino “Castelo Forte”, lembrou: “Embora a vida vá, sei que a Palavra ficará, sabemos com certeza”. Em dias de mudanças e instabilidade, seja virtualmente ou fisicamente, saiba que a única coisa que você poderá controlar, é o quanto você confiará em Deus a despeito das mudanças e das circunstâncias da vida pós-moderna..

Não desista dos seus objetivos

Gosto muito do livro de Salmos na Bíblia. São 150 capítulos carregados de pérolas de sabedoria em poesia. Um verso diz: “O choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã” (Salmo 30:5b). Isso é maravilhoso! Em outras palavras, isso define muito bem algo chamado perspectiva. E ela é um elemento essencial à vida e pré-requisito para toda grande vitória.

A vida precisa ser vivida, e só podemos faz isso bem com uma perspectiva positiva. Precisamos, como o salmista, acreditar que se está ruim é porque ainda não chegou ao fim. O único lugar onde não haverá perspectiva é no inferno (lugar de tormentos) e a sua vida não é um inferno. Ela pode estar atravessando por um, mas como disse o grande estadista britânico Windsor Churchill, “Se sua vida estiver atravessando um inferno, marche!”

Aqui na terra, e na eternidade com Deus, a perspectiva e a esperança precisam dominar nossas mentes e corações. Por isso somos instigados por Deus a não desistir, a tentar novamente, a caminhar mais uma vez, a seguir em frente, sabendo que se está ruim é porque não terminou. Paulo, o apóstolo disse: “As aflições deste tempo presente não são para comparar com a glória que em nós há de ser revelada!” (Romanos 8:18).

Sou uma pessoa positiva e otimista. Gosto de pensar que tudo pode aprimorar, que amanhã pode ser melhor que hoje, a despeito de vivermos cercados de pessoas negativas, que acreditam que o pior sempre está por vir. E lembre-se, se você estiver andando na frente, os galhos vão bater diretamente em você. Como disse o pregador batista Martin Luther King Jr. “É sexta-feira, mas o domingo vai chegar!”

Eu realmente acredito que podemos ser pessoas positivas num mundo negativo, ser resposta num ambiente de incredulidade, ceticismo e aflições. Existe um episódio em Mateus 14:12-33, em que Jesus e seus discípulos atravessaram uma tempestade terrível. Os discípulos entraram no barco por ordem de Jesus. E mesmo obedecendo-o, eles foram pegos por uma tempestade assoladora. O barco já estava naufragando, quando Jesus acordou e disse: “tende bom ânimo, Sou Eu. Não tenham medo”. Acredite, com Jesus, o fim ainda não chegou. A tempestade vai passar e dias melhores virão! Vença o pessimismo e a descrença, e decida crer. Decida ter fé e viver pela fé em Jesus. Quem tem fé, vive mais e melhor! Como Paulo também escreveu em uma de suas cartas: “Àquele que é capaz de fazer infinitamente mais do que tudo o que pedimos ou pensamos, de acordo com o seu poder que atua em nós” (Efésios 3: 20). Então, caro leitor, nunca se esqueça nas trevas e nas lutas da vida, do que um dia você recebeu na luz! Não desista! Não desista de Deus, não desista de você, não desista da sua família, não desista de você e dos seus sonhos!.

O dia dedicado ao seu pai

O dia dos pais é um dia especial. Claro que, nem de longe, chega a ser tão concorrido nas vendas como o dia das mães, mas sem dúvida, é uma data que vai muito além do comercial. É uma ocasião para agradecer à pessoa que Deus usou para você existir, e para que o seu coração tenha uma atitude positiva quanto a vida dele. Os órfãos de pai, como eu, sabem a falta que o “velho” faz. Meu pai morreu quando eu tinha 8 meses de idade em um acidente, mas hoje tenho a graça de ter 4 filhos biológicos que são presentes de Deus para o mundo.

Infelizmente, para muitas pessoas, esta data não gera alegria, pelo contrário, significa um dia de tristeza. Alguns, por saudade de boas lembranças de um pai falecido, o que é compreensível. Porém, insisto: não perca a gratidão frente à tristeza do seu coração. Ninguém podem mudar a realidade da morte. Eu, particularmente, sou grato por ter tido pessoas com mais idade que me abençoaram no papel de pai e, sobretudo, ao meu Deus Pai. Hoje eu tenho uma paternidade bem resolvida em minhas emoções e espiritualidade! Para algumas pessoas, esta data gera tristeza por motivos ligados à mágoas e revoltas, e essa é uma situação grave. Pergunto a você: que grande e invasora é esta tristeza, que não permite que você perceba a importância e a maravilha de se ter um pai? Você pode pensar que o seu pai poderia ter sido melhor do que o é; mais heroico, mais presente, ter jogado mais futebol com você. Acredite: ele faz tudo para que você tenha sempre uma vida melhor, em especial, se seu pai é um homem de fé e vive sob os ensinamentos e princípios do Mestre Jesus e da sua Palavra.

Seu pai pode ter errado em alguma coisa, mas quem não erra? Não importa quem e como ele seja. Seja “ausente”, seja padrasto, seja próximo ou distante. Ele ama você incondicionalmente. E você sempre deve retribuir este amor, não só no dia dos pais.

Seu pai é o responsável por passar a você todos os conceitos de ética, valores, autoconfiança e de viver a vida. Ele o filho a ser pai. Se ele for um pai “ruim”, você aprenderá com seus erros para não os cometer com seus filhos. Se ele for um bom pai, você aprenderá a cuidar dos seus filhos de forma correta.

Demonstre todos os dias que você é apaixonado por seu pai. Principalmente no dia dele. Hoje você já o abraçou? Já disse que o ama? Faça isto com toda a sinceridade e do fundo do seu coração. Seus pais são mais importantes do que você imagina.

Não se importe muito com presentes materiais. Você é o maior presente que ele recebeu, acredite. E saiba que ele é o maior presente que você já ganhou ou vai ganhar. Se ainda não percebeu isso, olhe bem fundo dentro do seu coração. Em dias negativos e pessimistas, sejamos positivos e abençoadores, amando, honrando e obedecendo nossos pais. Feliz dia dos pais, com ou sem o seu pai, mas sempre grato e satisfeito!.

O novo Rei Leão, o segredo da superação de Simba!

O filme “O Rei Leão” estreou nesta semana e já é um sucesso no Brasil e no mundo. O remake da Disney Pictures de 1994 arrecadou na primeira semana mais de US$ 600 milhões. A saga com o design realista é a quarta versão do longa e em muitos aspectos supera original. Por outro lado, é difícil que um animal realista passe tanta emoção para o público quanto o desenho animado original, dono de dois Oscars e que lucrou quase U$ 1 bilhão. A verdade é que é difícil agradar a todos quando se trata de um clássico. O enredo principal é o mesmo: “traído por seu tio Scar e exilado de seu reino, o leãozinho Simba precisa descobrir como crescer e retomar seu destino de herdeiro real na savana africana.”

Também assisti com parte da minha família o novo filme. Chamou-me muito a atenção os diálogos de Simba com a leoa Nala no seu reencontro, bem como a sequência com o macaco Rafiki, uma espécie de profeta da savana. Simba quer continuar vivendo no seu mundo, ignorando sua identidade real. Nala o confronta, pedindo que ele volte para a sanava, derrube Scar e tome de volta o reino que lhe pertence. Simba parece não ter forças até que Rafiki o lembra de que é filho de Mufasa, que seu pai vive dentro dele e que Simba é a continuação do legado e do reino de seu pai. Fortalecido por esta verdade, Simba encontra forças para refazer seu caminho e lutar por seu destino e pela libertação da sua família e do seu povo. Este diálogo traz uma palavra libertadora na vida de uma pessoa, que é a filiação e a paternidade bem resolvidas. Muitos estão dando cabeçadas na vida porque se deixam levar pelo espírito de orfandade em suas almas.

Todos nós precisamos desta questão bem resolvida para sermos bem-sucedidos e encontrarmos nosso destino. Todo ser humano precisa ter a questão da paternidade bem resolvida – mesmo uma pessoa como eu, que ficou órfão de pai aos 8 meses de idade, devido a um trágico acidente de ônibus. Não tive pai biológico, mas meus irmãos mais velhos e pastores que tive em minha vida me ajudaram muito e eu pude superar esta realidade, sobretudo, pela adoção de Deus como meu Pai. Jesus nos ofereceu o Seu Pai para que fosse nosso, como disse em Sua oração mais famosa, “Pai nosso.” O Pai era Dele, mas ele decidiu compartilhá-Lo e nos incluiu na família. Deus não é apenas Senhor, é Pai de todos os que O veem assim. Contudo, muitas pessoas, incluindo cristãos, não conseguem ver Deus como Pai, talvez porque tiveram referências ruins de pais biológicos, alguns ausentes, irresponsáveis e violentos. Assim, veem Deus como um tipo de “Zeus” que vive distante no Olimpo, sem um relacionamento paternal e pessoal. Deus é um bom Pai, fiel e amoroso com Seus filhos. Este é o convite Dele: “Contudo, aos que o receberam, aos que creram em seu nome, deu-lhes o direito de se tornarem filhos de Deus” – João 1:12

O segredo da superação de Simba pode ser o seu. Não permita que fantasmas do passado determinem seu presente ou que influências negativas de outros definam sua identidade, pois você é o que a Bíblia diz que você é, um filho amado de Deus. A escassez da orfandade só irá enfraquecê-lo e levá-lo a posturas de rebeldia. Escolha ser filho de Deus e desfrute da paternidade do bom Pai do Céu, que o ama e não deseja que sua vida fique travada devido a uma alma tóxica e contaminada pela orfandade espiritual..

Decida crescer e se desenvolver

Todo ser vivo que não cresce está com algum problema de saúde. O natural é o desenvolvimento e, com o crescimento, mudanças de fases. A vida atravessa ciclos do nascer, crescer, amadurecer, reproduzir, envelhecer e morrer, e cada fase é especial. A vida é feita de estações. Na vida humana, por exemplo, a fase infantil e adulta são bem distintas em muitos sentidos, cada uma com sua peculiaridade. Quando éramos crianças, nossos pais e adultos responsáveis faziam muitas escolhas por nós. Quando crescemos, contudo, passamos a ser responsáveis por nossas decisões. No entanto, talvez você conheça alguns adultos que insistem em continuar vivendo como adolescentes, sem encarar o peso de suas responsabilidades. Algo está errado neste cenário.

Há pessoas que saem da faculdade, mas a faculdade não sai delas. Não entendem que o ambiente profissional é bem diferente do estudantil e insistem em tentar viver no mercado de trabalho com 30 anos de idade a experiência que tiveram aos 20 como universitários. Quem decide não crescer, eventualmente fará escolhas erradas no âmbito relacional, afetivo e profissional.

Cada fase tem seus dilemas, problemas e belezas, assim, desfrute do melhor dela e se relacione com pessoas que agregarão algo a você neste tempo. Saiba viver com sabedoria cada estação; se você não tem, peça a Deus, como o Rei Davi fez. Assim, você viverá e terminará bem os dias na terra, em todos os ciclos da vida, concluindo sua jornada de forma positiva e morrendo em boa velhice.

A sociedade pós-moderna com seus gritos de “orfandade espiritual” e independência precoce tem levado muitos a perder partes boas da sua estação de vida. Há muita gente confusa e perturbada emocionalmente, que entra em brigas que não são deles. Aproveite as oportunidades desta vida maravilhosa que o Criador nos deu, com coisas fantásticas para descobrir e desfrutar, seguindo o conselho de Paulo: “Tenham cuidado com a maneira como vocês vivem; que não seja como insensatos, mas como sábios, aproveitando ao máximo cada oportunidade, porque os dias são maus” (Efésios 5:15,16). Você está vivendo como sábio ou tolo? Em muitos casos é melhor ficar quieto e pessoas pensarem que você não sabe de nada, do que sair falando demais e as pessoas terem certeza disso!

A sua vida é um presente lindo, porém frágil e passageiro. É como a neblina que logo vai embora, como dizem as Escrituras. O mestre Albert Einstein disse: “Sua vida é única e Deus não joga dados”. Pense bem e decida crescer para frutificar, de forma que o seu melhor esteja por vir. O que hoje está ruim pode melhorar, porém, se você não decidir crescer, o que está ruim hoje, pode piorar amanhã. Como você está vivendo sua única vida?.

Uma São José para o Brasil

Como você vê a cidade de São José dos Campos? Resido aqui desde 1997, quando me mudei com minha família do Sul para esta cidade. Não nasci aqui, mas me tornei cidadão joseense por título honorário da Câmara em 2012, o qual muito me honra. A cidade cresceu a olhos vistos em todos os sentidos. Amo viver aqui, e você?

A igreja onde sirvo como pastor líder cresceu com a cidade, passando de 620 membros em 1997 para mais de 13.000 membros residentes na cidade. A igreja tem 8 campi, desde o Jardim Primavera na Zona Leste, ao Jardim Imperial na Zona Sul, além de outros campi nas zonas Oeste, Centro-Oeste e Central. Chegaram com o crescimento organizações de serviços e apoio à nossa população, como a ABAP, a Rádio Cidade, a Casa Sol, o Colégio Inspire a Cidade Sports e, brevemente, a Faculdade Cristã da Cidade. Apoiamos os serviços de entidades como o GAAC, GAIA e Associação Ágape. A Igreja da Cidade realiza muitos serviços e eventos que inspiram a cidade, como o Auto de Páscoa, que reuniu em sua última edição 39 mil pessoas no Campus Colina da Igreja e 2.000 voluntários. O Auto, maior espetáculo indoor do país de seu tipo, distribuiu mais de 30 toneladas de alimentos para 18 organizações sociais católicas, espíritas e evangélicas da região.

Andando pelas ruas de São José nessa semana, pensava sobre o futuro desta importante cidade. Como estaremos daqui a 10 anos? Na semana passada, realizou-se em nossa cidade a 18ª edição da conferência de liderança Inspire Brasil, com 2.460 participantes de todas capitais do Brasil. Quase todos comentam como a nossa cidade é bonita e organizada. Talvez você também já tenha ouvido essa fala frequente. Por outro lado, sofremos os efeitos da nossa economia brasileira e problemas sociais nacionais, como o desemprego, a violência e a corrupção. Ainda assim, penso como seria bom se houvesse uma São José dos Campos para cada dos quase 6 mil municípios do Brasileiros.

Infelizmente, há pessoas negativas que enxergam a partir da sua única perspectiva pessoal e não enxergam o quanto de bom temos em nosso estado, Vale e, em particular, em nossa cidade com um todo. Oro para que nosso prefeito Felício Ramuth continue fazendo uma boa gestão em nossa cidade, juntamente com toda sua equipe de governo; que os vereadores façam seu papel de fiscalizar e legislar por uma cidade melhor para todos; e oro também para que cada cidadão, empresário, servidor e trabalhador em geral trabalhe por uma cidade melhor.

Se juntos estivermos unidos, ajudando o próximo e servindo aos que mais precisam, avançaremos ainda mais e inspiraremos o Brasil. Não é fácil, mas é possível. Com a benção de Deus e a unidade das pessoas, podemos ir mais longe..