‘Que tiro foi esse?’

Particularmente, não sou chegado ao ritmo musical funk. Talvez seja pela minha idade: sou dos anos 70 e gosto mais de samba canção, bossa nova, das mais antigas da MPB e dos “good times” da música pop americana. Mas isso é o de menos. Mas, preciso admitir que os últimos acontecimentos no Brasil nos levam a pensar imediatamente no tema do funk de Jojô Maronttinni ou Jojô Toddynho, Que Tiro Foi Esse? O fato é que esta pergunta cabe bem ao nosso espanto em relação ao difícil momento dos brasileiros. Escândalos de corrupção, alta nos preços, juros altos, surpresas de mau gosto nas falas e ações da mais alta corte do judiciário brasileiro. Como se não bastasse, lá vem a enxurrada de notícias de violência ligadas ao narcotráfico nas grandes capitais brasileiras. Que “tiros” são esses que os brasileiros estão levando a cada novo dia? É surreal!

Como terminaremos este ano de 2018? Já estamos fechando o segundo mês do novo ano, e as notícias difíceis continuam a nos assolar. É um tiroteio só. Ainda estamos nos recuperando do “tiro” do governo federal quanto à nomeação do novo diretor da Polícia Federal, aliado de José Sarney, Fernando Segovia e suas declarações que estarreceram a corporação da PF e a nação. Sua atuação parece ter colocado no freezer nossa esperança na operação “Lava a Jato” da PF. A boa notícia é que a intervenção Federal do Rio de Janeiro, se não servir para outra coisa, colocou a Reforma da Previdência em espera. Ela realmente precisa ser feita, porém, não creio que possa ser guiada pela atual gestão federal, que é um governo que está se agarrando pelos fios para não cair, defendendo-se de denúncias e processos de corrupção. Por falar em governo, precisamos lembrar que este ano iremos as urnas para votar para assembleia legislativa, câmara federal, Senado e sobretudo para escolher o novo presidente!

Sem dúvida, 2018 é um grande ano para os brasileiros. Não começamos muito bem, ainda sob fogo cruzado de más notícias. No entanto, podemos terminar o ano um pouco melhor. Para isso, precisaremos escolher bem, elegendo alguns melhores dentre os não tão melhores. Hoje o sistema político não inspira os melhores nomes do pais a que se candidatem. Realmente, são pouquíssimos. Para presidente, a julgar pelos nomes que se apresentam, só podemos dizer que está um terror! Sou um homem de fé e, por isso, já estou orando e pedindo a Deus, não por uma intervenção federal ou militar, mas por uma intervenção do céu na terra, para fazer milagres e nos livrar de homens maus. Enfim, brasileiros, gostando ou não de funk, resta-nos ouvir e perguntar: “Que tiro foi esse? Que tiros são esses?” Senhor, livrai-nos do mal, porque teu é o poder!.

 

Oportunidades de recomeçar

Já começamos o nosso novo ano! Como estão as coisas em sua vida? Acredite, surgirão novas oportunidades para decidir melhor e corretamente. Um ano só é novo se não apenas o deixamos passar no calendário, você vai construir seu novo ano! E construímos quando o fazemos ser novo em cada momento de nossas vidas. Não podemos esperar resultados diferentes, se continuarmos a fazer sempre as mesmas coisas.

O que precisa mudar? Essa é a primeira pergunta que você deve fazer.

A mudança começa com aquilo que você deixa para trás, começando com aquilo que você não mais permitirá que o acompanhe. Alguns terão que deixar atitudes velhas e mesquinhas para trás, terão de rever erros, maus hábitos, mágoas, ressentimentos, atitudes negativas, vícios e pecados. O que você precisa abandonar? Talvez alguns relacionamentos e amizades precisem ser encerrados. Afinal, há amizades que nos elevam, e amizades que nos afundam.

Este será um passo importante, mas também há outro necessário: o que de propositivo você fará com as oportunidades de vida que há diante de você? O que virá de novo?

É tempo de construir novas amizades, de descobrir novos sonhos e projetos, de iniciar novos estudos, de renovar a sua fé. Veja cada novo dia, não como apenas um algo a mais no seu calendário, mas como uma oportunidade única de transformar realidades à sua volta, a começar por decisões simples e pequenas.

Suas novas decisões podem ser melhores, mas isso não significa que não serão arriscadas.

A vida é uma prova de fé. Ela é muito grande, para ser vivida de forma pequena! Por isso, tenha fundamentos claros e bons, caminhe na verdade que Deus tem para você, e prossiga de forma responsável, mas empreendedora, sonhadora e positiva.

O apóstolo Paulo, que viveu cada dia intensamente, deixando um legado enorme para toda a humanidade, ensinou: “Tenham cuidado com a maneira como vocês vivem; que não seja como insensatos, mas como sábios, aproveitando ao máximo cada oportunidade, porque os dias são maus.” (Efésios/ 5:15-16).

Enfim, viva intensamente seu novo ano, a partir do seu primeiro mês, não seja passivo, ou apenas reativos, seja ativo e empreendedor com relação a sua vida, ela é única, levante-se, agarre as oportunidades e faça acontecer com fé em Deus, suor e muito trabalho, o melhor ano da sua vida! Você não é vítima, é protagonista no enredo de sua maravilhosa vida!.

 

Como está o seu Carnaval?

Estamos no meio do maior período de feriado do ano, bastante esperado por muitos brasileiros. Embora seja originalmente uma festa religiosa e estrangeira, o carnaval perdeu ambas as características com os anos, e em muito se deteriorou em função do hedonismo humano. Sua força no Brasil veio com os feriados prolongados e incentivos públicos, tornando-se um grande negócio. Atualmente, para muitos cristãos, em especial evangélicos, a folia é associada diretamente à promiscuidade. Contudo, devido à violência urbana, questões de saúde pública e à crise financeira de famílias e governos, o carnaval popular vem perdendo fôlego, em especial em relação aos desfiles. Por outro lado, houve um certo ressurgimento de marchinhas de ruas.

Além de ótimo pretexto para prolongar o começo oficial do ano, o carnaval é mais que uma festa à fantasia. Se você é cristão, sabe que o carnaval é ótimo para falar do amor de Jesus para as pessoas que estão pulando por fora e morrendo por dentro, com seus problemas pessoais, familiares e relacionais. Também, essa é a melhor época para retiros, acampamentos ou para aquela merecida folguinha.

No entanto, se você vai “pular ou brincar” o carnaval, cuidado com os efeitos colaterais, pois podem ser muito danosos à sua vida. O consumo de álcool e de drogas ilícitas têm aumento significativo nesta época (assim como os acidentes e confusões) e o sexo é uma prática quase explícita, contribuindo para o aumento de DST’s e abortos, em decorrência de gravidez indesejada.

Nas muitas questões que envolvem o carnaval, há muito mais do que o que é aparentemente “certo ou errado”. Não estou aqui para demonizar nada social ou cultural. Talvez a melhor pergunta seria: é sábio ou não se atirar nestas práticas e se esquecer das consequências? Precisamos tratar as coisas de forma clara. Jesus mesmo, ao ensinar sobre o adultério no Sermão do Monte, demonstrou que de nada adianta sermos aparentemente “certinhos” se nossas mentes estão cheias de maus pensamentos e nossos corações cheios de intenções erradas. Podemos pensar sobre o carnaval da mesma maneira. Afinal, de nada adianta trocarmos a indecência e a imoralidade dessa festa por músicas ou séries tão imorais quanto. Veja o que é ensinado em 1 Coríntios 10:31: “Assim, quer vocês comam, bebam ou façam qualquer outra coisa, façam tudo para a glória de Deus.”

Não comprometa toda uma vida de felicidade por algumas horas de um falso prazer. Que Deus abençoe nossa nação e que venha a Páscoa do Senhor Jesus Cristo, que morreu para perdoar nossos pecados e fazer de cada arrependido, um filho! Pense nisto e viva para Ele..

 

Transformando a cultura da desonestidade

No último dia 24, o Brasil assistiu, muitos festejando e outros se lamentando, o julgamento da sentença do ex-presidente Lula, pelo TRF4 de Porto Alegre, decisão que ratificou a sentença do Juiz Sergio Moro de Curitiba, e ampliou a pena, com um placar de 3×0. Este dia, é claro, entra para história, por ser o caso de um ex-presidente, pelas passionalidades envolvidas no processo, pela polaridade política que vive o Brasil, entre direita e esquerda.

Sabemos que a situação não vai parar por aí, porque ainda existe a questão da candidatura, agora condenado em 1ª e 2ª instâncias, e os outros 4 processos que enfrentará, ainda podendo aparecer outros. O Brasil começou a mudar, não podemos ser ingênuos de que esta mudança cultural será rápida, mas também não podemos ser pessimistas de que nunca mudará.

Precisamos aproveitar esta situação de reportagens nas mídias e discussões nos meios comunitários, acadêmicos, empresariais e familiares, para conversarmos mais sobre a questão da corrupção e da desonestidade da sociedade em geral. Precisamos de uma nova mentalidade, faz-se necessário uma mudança profunda na mente da sociedade.

No ranking de Percepção da Corrupção, em 2016, o Brasil ocupou a 79ª posição, entre 176 países. Já na lista do grau de propinas pagas, o país ficou no 14º lugar, em 28 países analisados. O empresário não pode mais aceitar pagar propina para pegar uma obra ou serviço, seja privada ou pública. Nós eleitores, não podemos mais votar nos políticos antigos, que está claro que enriqueceram com recursos ilícitos da vida pública, nunca teremos mais com os mesmos.

O Promotor de Justiça de MG, Jairo da Cruz Moreira, aponta os dez atos de corrupção mais presentes no dia-a-dia do cidadão comum: 1) Não dar nota fiscal; 2) Não declarar imposto de renda; 3) Tentar subornar o guarda para evitar multas; 4) Falsificar carteirinha de estudante; 5) Dar/aceitar troco errado; 6) Roubar assinatura de tv a cabo; 7) Furar fila; 8) Comprar produtos falsificados; 9) No trabalho, bater ponto pelo colega e 10) Falsificar assinaturas.

O fato é, “aceitar essas pequenas corrupções legitima aceitar grandes corrupções”, afirma o promotor. “Seguindo esse raciocínio, seria algo como um menino que hoje não vê problema em colar na prova, ser mais propenso a, mais para frente, subornar um guarda sem achar que é corrupção.”

A corrupção não é apenas moralmente errada. Ela mina o desenvolvimento econômico, distorce a lisura na tomada de decisões, destrói a coesão social e explora o pobre. A corrupção mata! A corrupção é desonra a Deus e, por isso, é a antítese do amor ao próximo. E você, tem feito a sua parte?

 

Feliz ano novo de oportunidades!

Todos precisamos de um novo ano! E recebemos do Eterno Criador este presente. Você está pronto para esta oportunidade? Tenho certeza de que pessoas ricas que faleceram neste ano pagariam bilhões para terem mais um ano de vida, mesmo que fossem pobres. A vida é uma benção do céu na terra! Mas, você só aproveitará esta oportunidade com novas atitudes e boas escolhas. Um novo ano não se constrói com previsões do futuro, mas com sábias decisões no presente.

Neste novo ano, esteja bem com Deus, consigo mesmo e com o próximo. Tenha atitudes saudáveis e amizades confiáveis. Cuide, em especial, de duas questões vitais: suas emoções e seus relacionamentos. Viva com paz interior, bem resolvido consigo mesmo e com saúde em seus relacionamentos. Eles são chaves para todos nós. Neles, ou você será fortalecido e empoderado, ou será empobrecido e enfraquecido. Escolha andar perto de pessoas que te fazem ser maiores a cada dia. O velho ano de 2017 já faz parte do passado, bem ou mal, ele já acabou. Se alguma pessoa o prejudicou, não guarde mágoa, pois isso é como tomar veneno e esperar que os outros morram. É fundamental perdoar os que lhe feriram. Se você não voar mais alto e perdoar, quem acaba morrendo, antes de falecer, é você. Seja agradecido pela experiência vivida e, a partir de agora, construa para o futuro. A melhor definição de amor é tempo, e o melhor tempo é o agora.

Na vida tudo é uma questão de atitude. Decida eliminar o que foi negativo e inicie o novo ciclo de forma positiva. Olhe e viva verdadeiramente para frente. Se receber uma nova tarefa, saia da mentalidade de escassez. Não culpe os outros, mas assuma suas responsabilidades. Seja grato pelo seu momento e faça o seu melhor. Revolucione a partir da sua realidade e dos seus valores.

Como escreveu o rei Salomão: “Acima de tudo, guarde o seu coração, pois dele depende toda a sua vida. Afaste da sua boca as palavras perversas; fique longe dos seus lábios a maldade. Olhe sempre para a frente, mantenha o olhar fixo no que está diante de você. Veja bem por onde anda, e os seus passos serão seguros. Não se desvie nem para a direita nem para a esquerda; afaste os seus pés da maldade.” (Bíblia – Provérbios 4:23-27). Valorize seu momento, sirva com alegria as pessoas da sua vida, mantenha o coração grato, livre-se de más companhias, inspire-se em pessoas que pensam e vivem para a grandeza. Em seus negócios, tenha visão de águia e em seus relacionamentos, tenha coração de ovelha. Viva para além de si mesmo. Feliz Ano Novo, com novas atitudes!.

 

Chegou o tempo de comemorar o Natal

A antiga canção de John Lennon relembra: “Chegou o Natal, a festa cristã, do velho e do novo!”. Celebramos o dia em que Deus nasceu no mundo, em forma de uma criança, trazendo paz, luz, amor e esperança. Uma nova aliança e vida para humanidade. O Filho de Deus, Jesus de Nazaré, nasceu em Belém, como uma criança humilde e marginalizada, e encontrou a todos neste mundo, oferecendo-lhes a reconciliação com Deus Pai. Herdamos muitas tradições em torno deste acontecimento. Mas o fato é que existe vida e esperança, porque existe Natal. Sobre o nascimento de Jesus, sabemos pouco. Ele nasceu antes da morte de Herodes Magno (Mateus 2:1; Lucas 1:5), falecido na primavera de 750 da era romana, ou seja, no ano 4 a.C. Conforme estudos, o ano mais provável do nascimento de Jesus é 7 ou 6 antes da era cristã. As primeiras comunidades cristãs não comemoravam o nascimento de Jesus. Somente a partir do ano 350 o Natal começou a ser comemorado no dia 25 de dezembro. Em torno da escolha desta data há uma longa história. Os celtas, por exemplo, tinham o Solstício do Inverno como um momento muito importante. O rigoroso inverno chegaria e não sabiam se terminariam a estação vivos. Por isso faziam um grande banquete de despedida do Sol no dia 25 de dezembro, com 12 dias seguidos de festas. A comemoração do Natal de Jesus surgiu de um decreto, feito pelo Papa Júlio I em 350 d.C. O nascimento de Cristo deveria então ser comemorado no dia 25 de dezembro, substituindo a veneração ao deus Sol pela adoração ao Salvador Jesus Cristo. A razão fundamental para a comemoração do nascimento de Jesus em 25 de dezembro se perdeu com a mudança no calendário, mesmo que a data continue sendo comemorada.

Para nós, habitantes do Hemisfério Sul, há menos razões ainda para se comemorar o Natal no dia 25 de dezembro. Nesta data vivemos os primeiros dias do verão e não do inverno. Porém, herdamos as tradições cristãs que vieram do Hemisfério Norte e, seja você um cristão ou não, cada vez que você escreve a data em um caderno ou computador, está fazendo uma referência direta ao nascimento de Jesus Cristo. Ainda assim, o mais importante é o fato do Natal. Celebramos este ato de amor maravilhoso de Deus: Ele veio ao mundo e inaugurou uma nova vida entre nós. Este é o motivo da nossa festa. Vamos juntos, povos do norte e do sul, festejar o Natal de Cristo! Está chegando o Natal, feriado em todo mundo, celebra toda a cristandade, o nascimento do Senhor dos senhores, Jesus Cristo, o Filho de Deus. Feliz Natal e um ano novo repleto de muitas bênçãos!

 

Chegou o advento do Natal

No primeiro século da era cristã, um acontecimento mudou para sempre a História da humanidade. Foi um impacto sem igual, em especial para a civilização ocidental, e ultrapassou o campo da religião, trazendo mudança social, cultural, educacional e espiritual para toda a humanidade. Este fato foi o nascimento de Jesus de Nazaré, em Belém, antiga província romana da Judeia. Hoje, para a cristandade, entramos aos domingos que antecedem o Natal, chamados de ciclos do advento.

Segundo o evangelho, certa noite, o anjo trouxe a grande notícia aos pastores que estavam no campo: “Não tenham medo! Estou aqui a fim de trazer uma boa notícia para vocês, e ela será motivo de grande alegria também para todo o povo!” (Lucas 2:10). Gosto muito destas duas expressões: “Não tenham medo” e “Notícia de grande alegria”. Quando percebemos o que é natal em essência, precisamos admitir que o mundo continua precisando, e muito, destas boas novas.

Jesus veio ao nosso mundo para trazer, em meio a cenários de medo, notícias de alegria para todos os homens. Na época, o povo hebreu era oprimido pela ocupação romana, e ansiava pela vinda do Messias prometido há 600 anos, pelo profeta Miqueias (5:2-5). A notícia do advento do natal foi e continua sendo de alegria, paz, luz e libertação. Ainda que seja quase certo que a data exata do nascimento de Jesus não tenha sido dia 25 de dezembro, isso não faz a chegada do natal menos importante. O que importa é que, de fato, Ele nasceu. Deus se humanizou para demonstrar seu grande amor para a humanidade e, por isso, Jesus é o nosso Deus Emanuel (Deus presente). Esta é a mais linda manifestação de amor que a humanidade já pôde conhecer. Esta é a essência desta data: o Pai tornou-se nosso.

Ao longo dos anos, cada povo trouxe sua contribuição cultural à data. Da Alemanha veio a árvore, da Itália o presépio, da Turquia a tradição de São Nicolau, dos EUA vieram os musicais natalinos e a ceia com o peru. Nestes tempos de decoração iluminada, presentes, canções natalinas, ceia, presépios e amigo secreto, o que não podemos é deixar de celebrar a pessoa do natal, Jesus. Que neste natal, acima da crise e adversidades, todos nós, pensemos nos outros! Entenda que, com Jesus no coração, você está no lucro. Na verdade, o aniversariante é Ele, Jesus. A celebração é a Ele. Natal é tempo de fraternidade, de dar e receber perdão, é tempo de amor, de paz, de reconciliação entre os homens e o Criador. Então, celebre. Ele venceu o medo e nos trouxe eterna alegria! Que venha o advento natal de Jesus sobre todos nós. Está chegando o natal, celebremos com votos de paz na terra!.

 

O racismo existe na sociedade

Por mais que a sociedade esteja conscientizada, ainda assim o racismo é uma prática de parte de muitas pessoas da sociedade. Alguns tentam ignorar ou negar, mas o fato é que o racismo está bem presente. Precisamos trabalhar para que esta atitude repugnante e nefasta seja extirpada da sociedade como um todo! Mais que um erro, o racismo é um pecado e um crime determinado no código penal brasileiro. Em especial para um cristão, o racismo deve ser considerado inadmissível, pois é completamente contrário aos preceitos bíblicos. O Criador fez a todos nós, conforme sua imagem e semelhança. Todos somos seres humanos, criados por Deus para uma missão no mundo.

No passado, a igreja bizantina e romana, ao longo da história, cometeu o grave erro de retratar a face do Jesus histórico em seus mosaicos, quadros, afrescos e vitrais, como um jovem europeu de olhos azuis. Isso está completamente desassociado da realidade, pois Jesus era uma pessoa igual a todos da sociedade israelita da época. Era tão do povo, que o delator de Jesus precisou de um código para identificá-lo entre a multidão: “Aquele a quem eu saudar com um beijo, é ele; prendam-no” (Mt 26:48). Jesus não só teve um nascimento pobre e suburbano, mas também uma aparência física que se misturava facilmente à população. Jesus deveria ser moreno, mas certamente mais para o negro do que para o ariano.

Por outro lado, a História do cristianismo tem seus capítulos de redenção, por meio de homens cristãos como William Wilberforce (1759- 1833), político britânico, evangélico anglicano, que foi líder do movimento abolicionista do tráfico negreiro que resultou, em 1807, na aprovação do Ato contra o Comércio de Escravos.

O pastor batista Martin Luther King Jr tornou-se um dos mais importantes líderes do movimento dos direitos civis dos negros nos Estados Unidos e no mundo, com uma campanha de não violência e de amor ao próximo. Em 1955 ajudou a fundar a Conferência da Liderança Cristã do Sul em 1957. A famosa Marcha sobre Washington em 1963 foi o palco para o discurso “I Have a Dream”. Em 1964, King recebeu o Prêmio Nobel da Paz pelo combate à desigualdade racial através da não violência. Foi assassinado em abril de 1968. Com os erros e acertos revelados pela história, o cristianismo contribuiu para o fim desta prática que vem bem antes dos tempos de Jesus. O racismo que vemos hoje, com expressões vulgares como “coisas de preto”, revela uma herança maldita do período da escravidão, que o mundo ocidental tem carregado sob a falsa máscara da “avançada” cultura helênica grega. Promova a igualdade entre todos. Somos todos seres humanos..

 

Saiba superar as suas perdas

No último dia 2 de novembro celebramos o dia de Finados, uma data especial dedicada à memória dos queridos que partiram. É um dia celebrado em todo o mundo, em diferentes datas, justamente porque todos já perdemos alguém que amamos.

A morte é inerente à vida, mas de certa forma, não sabemos lidar bem com ela quando atinge diretamente o nosso coração. Machado de Assis, o grande poeta brasileiro, disse: “Um homem consola-se, mais ou menos, das pessoas que perde.” Dentro da perspectiva humana, concordamos plenamente com ele. Ao viver a perda de uma pessoa amada, ninguém será completamente consolado apenas por meio de técnicas conhecidas por homens. Eu creio que somente em Deus é possível encontrar o real consolo e a reparação destas perdas. Somente Nele há o real aprendizado de como lidar com essa situação, do contrário, ficaremos para sempre lidando com um vazio. Existem perdas na vida, em especial as relacionadas ao luto, que somente pela ação sobrenatural de Deus conseguimos suportar e superar, mas a boa notícia é que conseguimos. E justamente por isto, Ele nos deu seu Espírito Santo, que chamou de Consolador.

Os sentimentos que envolvem essa realidade são difíceis de lidar. A dor de perder distorce nossa maneira de ver e de viver. Para tentar dominar a dor da perda e o medo de que ela aconteça de novo, usamos de mecanismos, dos mais diversos. Acontece que tais saídas podem não ser saudáveis. Muito pelo contrário, elas incorrem o risco de se tornarem verdadeiras prisões emocionais.

Em Hebreus 9:27, aprendemos que ao homem está ordenado morrer uma só vez, vindo depois disto o juízo de Deus, não existindo mais conexão entre vivos e mortos. O Evangelho de Jesus não fala sobre outra vida terrena, além desta. Por isto precisamos amar e viver em paz e amor com todos, porque lidar com o remorso pode ser um grande fardo.

Podemos aprender a lidar com as perdas e aprender a ganhar com elas! Estamos falando muito sério quando fazemos tal afirmativa: cada perda pode se transformar em um grande ganho. Tudo depende do modo como se lida com elas. Decida buscar pela fé, após as perdas da vida, o crescimento. Ore a Deus, leia a Bíblia, converse com pessoas de fé, abra seu coração e desabafe, o processo de perda pode ser pedagógico e terapêutico, mas você precisa atravessá-lo. Se você passa por um momento difícil de perda, indico a leitura do livro “Supere Suas Perdas” (Editora Inspire), escrito por mim e em coautoria com a pastora e psicóloga Leila Paes. Prevalecer é superar suas perdas! Você não é a sua perda, sua dor não pode ser sua identidade..

 

Divisões e reformas da Igreja Cristã

A história da Igreja cristã é riquíssima. Analisando a partir do terceiro século, com a conversão do imperador Constantino Magno em 312dC, nasce a “Era Bizantina” da Igreja, que perdurou do Século IV ao X. O nome vem da instauração da capital Bizâncio, depois chamada de Constantinopla ou Nova Roma, atual Istambul. Foram tempos de retorno à cultura grega, com ênfase em uma igreja mais ortodoxa e mística, repleta de concílios e dogmas e, consequentemente, o afastamento de raízes cristãs primitivas e a criação de diversas heresias. Paralelamente, neste período há a “Era Romana”, com capital em Roma. Nela a instituição do Imperador como líder da Igreja dá início ao conceito do papado.

O Grande Cisma da igreja, em 1054, significou a divisão plena entre as duas igrejas, Bizantina e Romana. Ainda assim a igreja do ocidente cresceu muito, impulsionada pelo desbravamento das Américas e África. Mas esta igreja fazia jus à era vigente, chamada de “Era das Trevas”. Em meio ao povo iletrado, sacerdotes vendiam de amuletos à salvação. Foi neste contexto que se levanta um monge afirmando que cristãos deveriam voltar às Escrituras e que ela deveria chegar às mãos de cada camponês. O desfecho deste movimento se dá em 31 de outubro de 1517, quando Martinho Lutero prega as 95 famosas teses que iam contra as indulgências, contra o papado e contra uma igreja que precisava urgentemente ser reformada. O evangelho reformado predominou na Alemanha, França, Inglaterra, Escócia e Países Baixos. Chegou às suas colônias, como a Nova Inglaterra, hoje, Estados Unidos da América. De lá, vieram a maioria dos missionários que chegaram ao Brasil: Metodistas, Presbiterianos, Congregacionais, Batistas, bem como os pentecostais, como a Assembleia de Deus. A partir daí as igrejas protestantes em solo brasileiro foram se miscigenando à brasilidade, assim como o catolicismo romano. Nascem fenômenos sociológicos como a Universal do Reino de Deus, Mundial e Plenitude, dentre outras, explicados mais pela sociologia do que pela história e teologia. A realidade fragmentada e eclética da igreja evangélica brasileira é a clara realidade da sua sociedade.

Consolida-se então, a igreja evangélica brasileira, que hoje em ascensão representa 22% da população, segundo o IBGE. É uma igreja protestante diferente de todas as outras no mundo. Mas cremos que Deus é soberano e que cuidará de Sua igreja. O fato é que tanto a Igreja Romana, quanto a Protestante do passado e do presente, devem muito à Reforma do Século XVI. Vamos à Nova Reforma! Afinal, um dos lemas da Reforma foi: “uma vez reformada, sempre reformando”..