‘Que tiro foi esse?’

Particularmente, não sou chegado ao ritmo musical funk. Talvez seja pela minha idade: sou dos anos 70 e gosto mais de samba canção, bossa nova, das mais antigas da MPB e dos “good times” da música pop americana. Mas isso é o de menos. Mas, preciso admitir que os últimos acontecimentos no Brasil nos levam a pensar imediatamente no tema do funk de Jojô Maronttinni ou Jojô Toddynho, Que Tiro Foi Esse? O fato é que esta pergunta cabe bem ao nosso espanto em relação ao difícil momento dos brasileiros. Escândalos de corrupção, alta nos preços, juros altos, surpresas de mau gosto nas falas e ações da mais alta corte do judiciário brasileiro. Como se não bastasse, lá vem a enxurrada de notícias de violência ligadas ao narcotráfico nas grandes capitais brasileiras. Que “tiros” são esses que os brasileiros estão levando a cada novo dia? É surreal!

Como terminaremos este ano de 2018? Já estamos fechando o segundo mês do novo ano, e as notícias difíceis continuam a nos assolar. É um tiroteio só. Ainda estamos nos recuperando do “tiro” do governo federal quanto à nomeação do novo diretor da Polícia Federal, aliado de José Sarney, Fernando Segovia e suas declarações que estarreceram a corporação da PF e a nação. Sua atuação parece ter colocado no freezer nossa esperança na operação “Lava a Jato” da PF. A boa notícia é que a intervenção Federal do Rio de Janeiro, se não servir para outra coisa, colocou a Reforma da Previdência em espera. Ela realmente precisa ser feita, porém, não creio que possa ser guiada pela atual gestão federal, que é um governo que está se agarrando pelos fios para não cair, defendendo-se de denúncias e processos de corrupção. Por falar em governo, precisamos lembrar que este ano iremos as urnas para votar para assembleia legislativa, câmara federal, Senado e sobretudo para escolher o novo presidente!

Sem dúvida, 2018 é um grande ano para os brasileiros. Não começamos muito bem, ainda sob fogo cruzado de más notícias. No entanto, podemos terminar o ano um pouco melhor. Para isso, precisaremos escolher bem, elegendo alguns melhores dentre os não tão melhores. Hoje o sistema político não inspira os melhores nomes do pais a que se candidatem. Realmente, são pouquíssimos. Para presidente, a julgar pelos nomes que se apresentam, só podemos dizer que está um terror! Sou um homem de fé e, por isso, já estou orando e pedindo a Deus, não por uma intervenção federal ou militar, mas por uma intervenção do céu na terra, para fazer milagres e nos livrar de homens maus. Enfim, brasileiros, gostando ou não de funk, resta-nos ouvir e perguntar: “Que tiro foi esse? Que tiros são esses?” Senhor, livrai-nos do mal, porque teu é o poder!.

 

Uma ideia sobre “‘Que tiro foi esse?’

  1. Belo texto !
    Bem reflexivo …Porém, ele diz que a reforma da previdência precisa ser feita? Não por este governo, mas por outro? ??
    Que tiro foi esse?
    Uma reforma há de ser feita sim. Mas, uma reforma política e judiciária. Não por este “desgoverno” e sim por outro. ..
    Seria, de fato, um tiro certo !

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *